Impotência / disfunção erétil

Impotência / disfunção erétil

Impotência sexual masculina ou disfunção erétil é a incapacidade persistente de atingir ou manter uma ereção que permita uma relação sexual satisfatória.

Deve ser distinguida de outros problemas sexuais, tais como falta de desejo, distúrbios de ejaculação (ejaculação prematura, ejaculação retardada e falta de ejaculação) ou distúrbios do orgasmo.

A impotência ou disfunção erétil é uma doença comum que, se não for tratada, pode afetar as relações com o casal, a família, o trabalho e o meio social. Todos os homens podem ter problemas em ter uma ereção em sua vida, especialmente se estiverem cansados, tiverem estresse, uma doença grave ou estiverem sob a influência de álcool e drogas.

Causas
Impotência ou disfunção erétil podem ser causadas por:

Causas psicológicas
Nestes casos, o pênis não apresenta qualquer alteração física, no entanto, doenças como a ansiedade (muitas vezes causada pelo medo de não conseguir uma ereção ou fraudar mulheres), depressão, problemas com o casal e até mesmo estresse Eles podem afetar o ato sexual.

Também a preocupação excessiva com problemas de trabalho, sociais ou familiares significa que a atenção necessária não é dedicada ao ato sexual. Fadiga, falta de apetite, falta de exercício, insônia ou insucesso no trabalho também desequilibram os reflexos sexuais.

Causas vasculares
Esse cara é muito comum. O pênis não pode acumular o sangue necessário para uma ereção, geralmente porque não chega em quantidade suficiente. Fumar, pressão alta, diabetes, algumas doenças cardíacas e aumento dos níveis de colesterol no sangue podem causar distúrbios vasculares que dificultam a ereção.

Causas neurológicas
Nestes casos, há uma interrupção na transferência de mensagens do cérebro para o pênis, porque há uma lesão nos nervos envolvidos. Isso ocorre com lesões na medula espinhal, esclerose múltipla ou após alguns procedimentos cirúrgicos na pelve.

Causas hormonais
Eles são raros. Eles são geralmente devido a uma falta de hormônios sexuais masculinos.

Causas farmacológicas
Existem vários medicamentos que têm como efeito colateral diminuir a capacidade de ter uma ereção. Entre eles estão algumas drogas para tratar hipertensão, doenças cardíacas e transtornos psiquiátricos.

Avalie seus sintomas

Sintomas
O principal sintoma da disfunção erétil é uma mudança na qualidade da ereção, tanto em termos de rigidez quanto na capacidade de manter uma ereção.

Se a impotência é causada por causas físicas, um dos principais indicadores da incapacidade de ter ou manter uma ereção ao acordar pela manhã.

Por outro lado, se origina de causas psicológicas, a impotência geralmente ocorre durante um período de tempo específico (desde que a situação de estresse perdure, por exemplo). Se persistir por mais de três meses, o paciente deve procurar um urologista especializado em impotência.

Prevenção
A principal medida que os homens devem ter em mente para evitar a ocorrência de ED é a modificação do estilo de vida para evitar qualquer hábito que impactar negativamente as artérias e veias, como fumo, álcool e gorduras saturadas, vida sedentária e estresse.

Tipos
Atualmente, alguns especialistas estabelecem a seguinte classificação para distinguir os diferentes tipos de impotência:

Leve

Moderado

Sério
Diagnóstico
Para a elaboração de um diagnóstico correto é necessário que o paciente seja submetido a exames médicos que permitam estabelecer um bom registro clínico.

Leia também: Estimulante sexual masculino qual é o melhor

Uma entrevista com a pessoa afetada pode revelar fatores psicológicos envolvidos no distúrbio de ereção. É essencial descartar a depressão, o que nem sempre é aparente. A escala de depressão de Beck e a escala de depressão geriátrica de Yesavage nos idosos são simples e fáceis de realizar.

Os relacionamentos pessoais também devem ser analisados ​​para determinar se existem conflitos ou dificuldades de comunicação com o casal. Uma entrevista com o parceiro sexual da pessoa afetada pode revelar dados de grande importância.

Por outro lado, existem atualmente vários testes que ajudam a estabelecer o diagnóstico de disfunção erétil. Especialistas costumam usar principalmente dois: o IIEF (Índice Internacional de Função Eréctil) ou SHIM (Índice para a saúde sexual masculina), reduziu variante do IIEF é composto por 5 perguntas e apresenta alta sensibilidade e especificidade. Um escore menor ou igual a 21 mostra sinais de disfunção erétil.

Na avaliação médica geral,

Fonte: https://www.valpopular.com/estimulante-sexual-masculino-qual-e-o-melhor/

Impotência sexual atinge 25 milhões de brasileiros acima dos 18 anos

Impotência sexual atinge 25 milhões de brasileiros acima dos 18 anos

Impotência sexual é um assunto sobre o qual muitos homens evitam falar, mas atinge, em algum grau, 25 milhões de brasileiros acima dos 18 anos. Entre a faixa dos 40 anos, 30% não conseguem ter relações por falta de ereção. Mas o problema tem tratamento, que pode variar de terapia a prótese peniana, passando por remédio oral e injeção.

No Bem Estar desta quarta-feira (11), estiveram o endocrinologista Alfredo Halpern, que também é consultor do programa, e o urologista Sidney Glina. Eles explicaram a influência de hormônios e outros fatores no aparecimento da disfunção erétil. Também destacaram que essa é uma situação que deve ser trabalhada e resolvida a dois.

Saiba mais: Prime Male

Para ter uma ereção, o homem precisa receber estímulos, que podem ser uma visão, um toque ou pensamento. E é necessário haver um equilíbrio de hormônios, nervos e circulação. Nas ruas, o apresentador Fernando Rocha e a repórter Marina Araújo conversaram com homens e mulheres sobre o assunto.

No estúdio, os especialistas disseram que o excesso de adrenalina e ansiedade também pode prejudicar o desempenho na relação. Segundo Halpern, o sexo deve ser natural, sem se preocupar tanto com a performance. Por outro lado, afirmou ele, as mulheres estão mais liberadas e exigem mais dos parceiros.

É importante diferenciar quando há um falha eventual, motivada por fatores específicos, de quando o problema requer acompanhamento médico. O tratamento inicia-se com uma avaliação laboratorial para saber como estão o metabolismo, o colesterol e os triglicérides.

Mesmo que o paciente busque uma terapia de apoio, caso a origem seja psicológica, costuma-se indicar remédio via oral para ajudar a resolver a impotência. Mas é bom conhecer os riscos de vício psicológico no medicamento, pois muitos homens sem a doença fazem uso deles apenas para melhorar o desempenho sexual.

Dados internacionais revelam que até 70% dos pacientes respondem bem ao tratamento com medicação. Quando o homem não reage ao remédio, porém, é indicado o implante de prótese peniana.

Com a idade, a tendência é que o distúrbio se agrave. E quem tem ejaculação precoce pode ter impotência mais tarde. Além disso, os mais velhos costumam a ficar mais doentes, tomar mais remédios e sofrer mais complicações psicológicas, hormonais e vasculares. Depois dos 30 anos, já começam a diminuir os níveis de testosterona no corpo masculino.

Doenças cardiovasculares também podem dificultar a ereção, porque tornam os vasos sanguíneos mais rígidos e atrapalham a vasodilatação. Já a diabetes interfere nos nervos e vasos, comprometendo o processo. Por isso, deve-se controlar as taxas de glicose.

Problemas na próstata e uso de anabolizantes ou remédios contra depressão, hipertensão ou para emagrecer também podem piorar a situação. O cigarro, por sua vez, obstrui os vasos, levando menos sangue até os corpos cavernosos do pênis. O sedentarismo aumenta a gordura abdominal, atinge os vasos e diminui a testosterona. Além disso, o estresse e a depressão interferem nos sinais cerebrais e podem desencadear a perda do desejo sexual.

Viver sem sexo: a opinião do psiquiatra

  • Nosso Blog : Sobrevivendo sem sexo, isso é problemático apenas para casais idosos  ?

Sophie Cadalen  : De maneira alguma. Porque tudo é jogado muito cedo em um relacionamento, dependendo de como é organizado, e nem sempre é em torno da questão sexual. Eu ouço muitos jovens para quem o compromisso é decidido quando, desde o início, o sexo não é muito importante entre eles. E isso não significa, em qualquer caso, que não durará muito. Eles esperam que isso seja desvendado um dia. Algo está faltando, mas “  não é tão ruim assim  ” , há “  tantas outras coisas que vão tão bem ”… E, a algumas décadas de nós, a pergunta nem teria sido feita. Exceto que hoje em dia, a norma do sexo regular, floresceu, está pairando sobre o casal. E alguns se perguntam quando nunca, de fato, o sexo era entre eles o coração do sujeito.

  • Como um casal pode durar sem isso  ?

Em primeiro lugar, há aqueles casais para os quais esse aspecto do relacionamento nunca foi importante. Ambos podem dizer: “  Sexo, não, não é coisa minha.  ” Ainda é difícil de aceitar para os homens, mas é uma confissão de que é feito no sofá. Um pequeno “tiro” de vez em quando é suficiente. E se eles não forem mais solicitados, eles ficarão sem isso. Isso é mais comum do que imaginamos … O outro grande caso é o duo “dominador-dominante”: um está em uma posição de demanda, o outro está esperando, culpado de fazer sofrer primeiro. Funciona muito bem em um modo neurótico e pode durar uma vida inteira.

  • Mas se a ausência de sexo realmente se torna um sofrimento  ?

É necessário questionar esse sofrimento, de si mesmo para si mesmo. O que me faz sofrer? Às vezes é apenas a questão da norma. Muitas vezes ouço no meu escritório: “Mas o sexo é o cimento do casal! Ou: “Isso é normal? É lógico que possa aguentar sem isso? Agora, se há uma área onde não há nada normal ou obrigatório, é a do sexo e do amor. É um sofrimento narcisista: “Você não me quer? Você não me acha bonita? Mas a verdadeira questão é: “Eu quero você? Estou realmente sem sexo? Ou falta de autoconfiança … “Às vezes, todo esse sofrimento pode levar o casal a construir de forma diferente. Vá para outro lugar. Um vai embora e acorda o outro. Ou ambos têm vidas paralelas. Mas é raro: um casal pode se organizar dessa maneira se, já, era assim no começo, mesmo sem o conhecimento deles. Há também a solução de clivagem. É muito complicado administrar sexo e amor, não se organiza da mesma maneira. Alguns escolhem, para cada dia, um confortável “ursinho de pelúcia”, enquanto sonham com a vida desgrenhada e com os torpedos sexuais … que podem acabar se oferecendo em uma vida paralela. Uma maneira de armazenar coisas em lugares diferentes. enquanto eles sonham com a vida desgrenhada e com os torpedos sexuais … que eles podem acabar se oferecendo em uma vida paralela. Uma maneira de armazenar coisas em lugares diferentes. enquanto eles sonham com a vida desgrenhada e com os torpedos sexuais … que eles podem acabar se oferecendo em uma vida paralela. Uma maneira de armazenar coisas em lugares diferentes.

  • Em quais casos a ausência de sexo pode explodir o casal  ?

Se você está realmente em uma unidade sexual. Para os casais que se encontram neste terreno, o desaparecimento do sexo pode revelar disfunções que a reconciliação no travesseiro ocultou. O sexo é frequentemente o concentrado, o desenvolvedor e muitas outras coisas. É inconsciente que é, não ginástica! Mesmo para casais em que há “aquilo”, isso está longe de ser trivial. Este anexo é extremamente poderoso.

Se você sofre com problemas sexuais e esta cansado disso, conheça o melhor produto do mercado, o Big size.

  • Mas quando o casal sobrevive, isso não se tornou uma história de irmão e irmã  ?

Você sabe muito, irmão e irmã capazes de viver juntos? Não, não é sobre irmãos ou companheiros de quarto que não compartilham nada além de aluguel. Esses casais, pelo contrário, geralmente têm muito em comum. Conivência, ternura, interesses intelectuais, ativismo (algo muito libidinal é jogado lá, algo apaixonado, excitante, febril) … O problema todo é o que esperamos de um casal a priori. De fato, nenhuma definição é universal. Um casal é uma criação, é contado em três: um, o outro e este outro estado, esta esfera que inventamos juntos e que pertence somente a nós. É necessário ler o livro do filósofo Alain Badiou (2) sobre este assunto … Não há nada instalado, enrijecido no casal. Tudo é baseado no equilíbrio entre uma miríade de elementos. A sexualidade é apenas uma entre muitas.

Sexualidade: problemas masculinos, problemas femininos

Falta de desejo, disfunção erétil ou ejaculação precoce … Os problemas sexuais não pode ser reduzida a uma disfunção física para os homens e para as mulheres relacional diz colunista de “The Morning of the World”.

Dado um contexto tão favorável, um terço dos que ficaram para trás são muitos. Parece que temos um grande problema sexual e até muitos. Quais são eles, e quando fica preso, onde arranhar 68% dos franceses estão satisfeitos com sua vida sexual (IFOP, 2013). Do lado positivo, essa porcentagem deixa apenas 22% de pessoas insatisfeitas no chão, além de 10% de espíritos puros que não têm vida sexual. Pode-se, no entanto, ver o copo meio vazio: não estamos no terceiro milênio, tempo de todos os prazeres, de todas as exigências visuais? Nunca compartilhamos tão facilmente nossa técnica erótica, sempre renovamos ferramentas para nos tornar desejáveis, estamos atolados em estratégias para encontrar parceiros adultos e vacinados,

Na Inglaterra, um estudo recente de 5.000 pessoas mostra que um terço dos pesquisados ​​teve problemas sexuais. Seus contatos especializados (sexólogos, terapeutas) relatam um aumento na disfunção física (+ 24%) e preocupações relacionadas ao consumo de pornografia (+ 47%) – embora seja impossível dizer se é o número de complicações que estão crescendo, ou apenas a facilidade com que um especialista é consultado.

Quem são os grandes desgraçados? Bastante homens que mulheres, e não surpreendentemente, pessoas bastante doentes e pais – especialmente pais de adolescentes. As mulheres se queixam principalmente de intimidade emocional e falta de comunicação (84% e 75% de prevalência, respectivamente). Muito atrás vêm fadiga (31%), traumas passados ​​(25%), falta de interesse (23%), complexos, estresse. É necessário esperar que as profundidades da classificação encontrem elementos técnicos: o desconhecimento do corpo e o que lhe dá prazer (3,4%), a disfunção sexual (1,9%). Para simplificar, os problemas das mulheres estão primeiro no relacionamento, depois na cabeça, depois apenas marginalmente no corpo.

Marte e Vênus?

Nos homens, a distribuição da insatisfação é muito menos clara. A falta de comunicação entre os parceiros vem em primeiro lugar, quase a par com o estresse. Eles são citados por dois terços dos terapeutas. A disfunção sexual ocupa a terceira posição (44%): falamos principalmente de problemas eréteis (que dizem respeito a um terço dos franceses com mais de 40 anos, segundo um estudo publicado na European Urology em 2002) e ejaculações prematuras (como lembrete, considerado como gozo precoce descontrolado que ocorre geralmente ou sempre menos de um minuto após o início do relatório, mesmo que a polícia e os manifestantes nem sempre concordem com a definição exata).

Segundo a Associação Francesa de Urologia, um décimo dos homens experimenta repetidamente essas ejaculações rápidas, e dois terços ocasionalmente. A falta de intimidade emocional (38%) e fadiga (31%) segue no ranking de aborrecimentos masculinos, enquanto a técnica sexual ruim é citada por apenas 13% dos especialistas. No fundo das gavetas das prioridades masculinas, encontramos a má imagem do corpo, mencionada por apenas 1% dos especialistas.

E se você precisar aumentar seu pênis conheça o estimulante chamado Tauron.

Estes números britânicos atravessam as nossas prioridades nacionais: quando o IFOP pede aos franceses que expliquem os fundamentos necessários para uma vida sexual agradável, é de uma forma esmagadora o bom entendimento entre os parceiros que ocupam o topo da pirâmide das respostas (85). % de respondentes). A boa ereção e duração da relação sexual são mencionadas por menos de 10% dos entrevistados – muito aquém do desejo (73%) e da atmosfera (17%). Isso corrobora o senso comum quando diz que “o maior órgão sexual é o cérebro”. Ou em sua variante especista: “Nós não somos animais de qualquer maneira. “

Questionados sobre seus problemas sexuais, os franceses colocam a falta de desejo e as dificuldades para atingir o orgasmo em primeiro lugar (60% das pessoas envolvidas), diante da disfunção erétil (47%) e da ejaculação (38%). %). 
Voltando agora às nossas questões de gênero: podemos desenhar tiros no cometa e dizer que, estatisticamente falando, os homens se concentram em suas deficiências físicas, enquanto as mulheres deploram especialmente os problemas de relacionamento? Eles olhavam para o dedo mindinho enquanto se preocupavam com sentimentos? Marte e Vênus, ainda no horizonte? Tal classificação seria de fato um pouco fácil.

Causas da disfunção erétil e impotência

O fato de que a impotência masculina ainda é um tabu para muitos homens encoraja a desinformação. Muitos acreditam que este é um distúrbio de ereção relacionado à idade e não pode ser evitado. Na realidade, as causas de um problema erétil são múltiplas (físicas e psicológicas). E eles podem ser perfeitamente tratados. O primeiro passo, no entanto, é determinar a origem, a fim de identificar um tratamento eficaz.

No entanto, não acredite que a causa de sua disfunção erétil seja orgânica ou mental. Na verdade, esses fatores de risco se somam e, às vezes, é necessário um gerenciamento complexo e completo. A comunicação com o seu parceiro e a ajuda de um especialista serão complementares.

Neste artigo, apresentamos as possíveis causas de um distúrbio de ereção. Mas para um diagnóstico preciso, comece discutindo com seu médico.

Causas físicas

Seu distúrbio de ereção pode ter uma causa orgânica. Seja hormonal, medicamentosa ou neurológica, eles exigirão atenção especial. E um tratamento direcionado.

Causas vasculares

Para ter uma boa ereção , seu pênis deve ser irrigado com sangue. Então, se você tem um problema em suas artérias, você pode sofrer de impotência . Sua disfunção erétil pode ser causada pela aterosclerose (que vai engrossar e endurecer suas artérias).

Mas também por pressão alta ou diabetes (especialmente tipo 2).

De fato, muitos estudos mostraram que a hipertensão é a principal causa de disfunção erétil em homens com mais de 65 anos de idade. Tenha cuidado para não comer muito sal e para controlar seu peso e consumo de álcool.

Para ler também: O estimulante sexual masculino Tauron funciona?

Causas hormonais

Se você tem DALA (para o déficit de andrógeno relacionado à idade), você pode ter níveis de testosterona que são muito baixos para suportar uma ereção normal. Esta deficiência também pode causar uma diminuição na sua libido, músculo e atrofia óssea. Mas também mudanças de humor e fadiga que contribuirão para seus problemas de ereção.

Causas neurológicas

Alguns distúrbios neurológicos também podem explicar que você vai sofrer de impotência. Este é particularmente o caso de condições como esclerose múltipla, acidente vascular cerebral ou lesão medular. Cirurgia, especialmente a próstata também pode atingir os nervos do seu pênis. E, portanto, causar disfunção erétil.

Causas de drogas

Alguns tratamentos médicos também podem causar um distúrbio de ereção. Este é particularmente o caso dos tratamentos contra a hipertensão (e, em particular, os beta-bloqueadores). Mas também tratamentos hormonais ou antidepressivos e ansiolíticos.

Colesterol

O colesterol também pode explicar que você tem problemas de ereção. Ao bloquear suas artérias (gordura), impedirá que o sangue circule adequadamente para o seu sexo. Portanto, tenha cuidado com seus hábitos alimentares e estilo de vida muito sedentário. Mas também ao consumo excessivo de álcool e tabaco.

Diabetes

Diabetes é uma doença crônica que pode alterar significativamente o fluxo do sangue. E, portanto, impedir que você tenha uma ereção ou bandagem macia . Ao danificar seus nervos, o diabetes também pode impedir a transmissão de sinais de prazer para o cérebro. Como resultado, mais da metade dos homens com diabetes (especialmente tipo 2) sofrem de disfunção erétil. E isso, mesmo em uma idade muito jovem (a partir de 15 anos).

Como fazer amor com um homem e deixá-lo louco!

Expanda todas as suas zonas erógenas!

Nós não sentimos prazer da mesma maneira. A excitação masculina é mais focada na estimulação dos genitais do que nas mulheres. Mas é possível desenvolver sua sensibilidade! Por exemplo, tente acariciar seus mamilos enquanto se masturba, você treinará esta área para ser mais prazer “receptivo”.

Os testículos, o períneo, o ânus e a próstata são partes dos órgãos genitais essenciais à sua excitação … Lembre-se de que um homem não se reduz ao pênis! Os testículos e o períneopodem ser massageados a cada momento, durante a masturbação , o sexo oral e até mesmo a penetração(dependendo das posições). Eles são excelentes impulsionadores de prazer!

A área anal é mais delicada de abordar para alguns homens, porque às vezes é sinônimo de homossexualidade e / ou dor. E ainda! É uma área sensível e muito erógena . Você pode começar por massagear os músculos do ânus ao ar livre para encontrar este lugar atraente e agradável antes de ir mais longe. A boa notícia: você também pode massagear a próstata indiretamentesem introduzir um dedo nas costas do homem. Há um ponto famoso na tradição do Tao, o “milhão de dólares”. Ele está localizado no períneo, a meio caminho entre o ânus e o escroto, e você pode empurrar o dedo nele. Você só tem que pressionar muito para poder tocá-lo.

Coloque todos os seus sentidos em alerta!

Levante a temperatura. As variações de quente e frio são um excelente estimulante para a pele e jogam no fluxo sanguíneo. Tente beber chá quente antes de um boquete ! O efeito surpresa é garantido. Não hesite em ser ganancioso: espalhe seu corpo de chocolate, chantilly ou lubrificantes perfumados … A comida está intimamente ligada ao sexo.

Um pouco de privação sensorial. Amarre-o ou venda-o : suas carícias serão mais intensas, mais inesperadas, diferentes. Brinque com desejo, frustração e surpresa.

E tudo na música … Por que às vezes somos atravessados ​​por uma onda de prazer, a ponto de ter arrepios enquanto ouvíamos um riff de guitarra ou uma ópera? Pesquisadores olharam para essa pergunta e a responderam: ao ouvir música , o cérebro começa a produzir dopamina, um neurotransmissor que causa uma imensa sensação de satisfação. Fenômeno que se observa exatamente da mesma maneira durante uma relação sexual. Estes são de fato os mesmos circuitos cerebrais que são ativados quando você faz amor e quando ouve música. Ao fazer as duas coisas ao mesmo tempo, acrescentamos prazer ao prazer, potencializamos isso!

Deixe-se ir …

Seu corpo fala por você. A linguagem corporal é uma das primeiras formas de comunicação, é muito animal e muito instintiva. Não hesite em libertar seus gestos, seus desejos, seus impulsos … Tire suas roupas, faça um striptease , camber, acaricie, morda, chupe. Não ponha nenhum freio em você: ninguém é ridículo quando vem de tripas.

Liberte sua palavra. Muitos casais às vezes sentem que as palavras podem “destruir” a magia do momento e, portanto, preferem fazer amor em silêncio. Então, sim, não se trata de comentar tudo como em um jogo de futebol, no entanto, expressar sua emoção, descrever o que você vai fazer para o seu parceiro com palavras cruas e porcos é um afrodisíaco formidável.

E caso mesmo assim seu homem ainda não consiga te dar uma noite de prazer satisfatórias leia mais sobre o estimulante Macho Power.

PROBLEMAS DE EREÇÃO EM JOVENS, CAUSAS E COMO RESOLVER DE FORMA SIMPLES

PROBLEMAS DE EREÇÃO EM JOVENS, CAUSAS E COMO RESOLVER DE FORMA SIMPLES

Olá, seja muito bem-vindo ao sedutor hardcore, nesse artigo tenho algo muito interessante para você! Hoje quero falar sobre os problemas de ereção em jovens.

Quero falar sobre as causas e como resolvê-las de forma simples!

Após você ler esse conteúdo e colocar em prática as dicas citadas aqui, tenho certeza, que você e a sua parceira ficarão muito agradecidos.

Leia também: o que é remédio para ereção

Está querendo dar um basta definitivo nesse seu problema sexual? Encontre a solução definitiva para isso no vídeo baixo:

Gostou? >>> Clique aqui para ter acesso imediato! <<<

Bom – sem mais demoras vamos ao conteúdo…

PROBLEMAS DE EREÇÃO EM JOVENS: CAUSAS.

Os problemas de disfunção erétil estão por toda parte, está operando na vida de homens de diversas idades nos dias atuais.

Não é algo espantoso porque qualquer homem pode vir a enfrentar esse problema multifatorial.

Os problemas de ereção em jovens, hoje em dia é muito comum, na maioria das vezes parte de princípios psicológicos, onde as principais causas são:

Perda de interesse por sua parceira
Fatores desestimulantes externos durante a relação
Pensamentos negativos acerca da parceira
Falta de estímulos adequados durante a relação
Falta de confiança durante a relação

E muitos outros…

Segundo especialistas, esses fatores são as principais causas que provocam problemas de ereção em jovens.

Se você é jovem e já passou por um problema de disfunção erétil provocados por algumas dessas causas acima, entenda que o seu problema pode ser solucionado de forma simples!

Veja logo abaixo, algumas dicas práticas para solucionar esse mal da disfunção erétil ainda hoje…

PROBLEMAS DE EREÇÃO EM JOVENS, COMO RESOLVER DE FORMA SIMPLES

Muitos homens nos dias atuais, recorrem aos medicamentos para poder tratar a sua disfunção erétil. Muitos deles recorrem ao Viagra e ao Cialis – o que não é tão diferente do Viagra segundo usuários que usaram esses medicamentos.

Os problemas recorrentes relatados pelos usuários dessas medicações são os efeitos colaterais, que são:

1. Dores de cabeça
2. Ereção prolongada
3. Ejaculação dolorosa

Entre outros…

Bom, é bem provável que você não deseja passar por isso…

Os problemas de ereção em jovens, como já citado anteriormente, são problemas que na maioria dos casos partem de fatores psicológicos, e na maioria dos casos, não é preciso usar esses tipos de medicações.

Para resolver esse problema de disfunção erétil de forma simples, faça antes de tudo, uma consulta com um psicólogo e fale sobre as experiências que provocaram a disfunção.

O psicólogo é a pessoa mais preparada para ouvir o seu caso e diagnosticar o seu problema…

Se o problema for realmente psicológico ele te dará todas as instruções necessárias para solucioná-lo de forma simples.

Bom, eu vou ficando por aqui! Se você gostou desse conteúdo sobre Problemas de ereção em jovens, causas e como resolver de forma simples, compartilhe para poder ajudar mais homens!

Saiba a melhor forma de reverter a disfunção erétil

Saiba a melhor forma de reverter a disfunção erétil

Adoção de um estilo de vida mais saudável é recomendado em um terço dos casos

Ao atrair milhares às farmácias do país e vender mais de 2,4 milhões de unidades em seis meses, uma pilulazinha azul evidenciou um tipo de problema que a população masculina insistia, por constrangimento, em manter silenciado. Quase 17 anos depois do lançamento do Viagra, os medicamentos para disfunção erétil ainda são lembrados como a principal forma de tratamento pelos brasileiros – 25 milhões deles sofrem da doença. O que a maioria não sabe é que, em cerca de um terço dos casos, a impotência, que tanto abala a autoestima e desonra o clichê machista da virilidade, pode ser revertida com a simples adoção de um estilo de vida mais saudável.

Foi o que apontou uma pesquisa realizada no Centro de Saúde Masculina da Fundação Freemansons, da Universidade de Adelaide, na Austrália, com dados que foram corroborados pelos especialistas do Brasil ouvidos pela reportagem. Perder peso, comer melhor, abolir o sedentarismo, ter boas noites de sono, deixar o cigarro de lado e diminuir a ingestão de bebidas alcoólicas são hábitos que podem ajudar a resolver falhas de ereção. O problema nem sempre é tão embaixo.

Leia mais notícias de saúde

Entre os jovens, por exemplo, muitos dos casos de impotência sexual são causados por questões psicológicas como ansiedade, depressão e incertezas sobre o futuro profissional. Nos mais velhos, a disfunção erétil pode ser consequência, se não do avanço da idade, de condições mais sérias de saúde, como diabetes, obesidade, câncer de próstata e problemas cardiovasculares.

– É preciso consertar esses “erros” no indivíduo antes de apelar para remédios orais contra a disfunção erétil. No caso dos jovens, às vezes apenas a terapia é suficiente. Uma pessoa com excesso de peso, por exemplo, tende a ter problemas de circulação e, por conta disso, a ter uma vida sexual de má qualidade. Corrigir a alimentação é uma maneira de tentar recuperar a função sexual naturalmente – afirma o urologista Sergio Iankowski, autor do livro “Ereção e Falha, Falhou Por Quê?”.

Não conseguir manter o pênis rígido é o medo máximo do homem brasileiro. Força de expressão? Não. Um estudo encomendado pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) demonstrou que esse receio é maior do que o de ser traído, perder o emprego ou até mesmo sofrer um assalto.

Entre os problemas de saúde, o temor de ficar impotente só perde para o medo de ter câncer. A pesquisa ouviu 3,5 mil homens com mais de 40 anos, em sete cidades do país.

– Os homens associam a ereção ao estereótipo da masculinidade, o que gera um grau muito grande de autocobrança. Se existe falha, é comum que, abalados psicologicamente e no afã de sanar logo o problema, procurem os medicamentos – diz o especialista em urologia Raphael Moreira, médico do Hospital Samaritano, em São Paulo.

Leia também:
Conheça os principais tratamentos para a disfunção erétil

Fontes: Sociedade Brasileira de Urologia, Fundação Freemasons, Datafolha/Eli Lilly, Instituto de Fertilidade e Andrologia

Automedicação e o perigo da ilusão de desempenho

Como não é necessário receita para comprar remédios contra a disfunção erétil, a automedicação se torna um risco. Os estimulantes, de acordo com o urologista Sergio Iankowski, ao provocar a ilusão pontual de um bom desempenho na cama, mascaram as causas reais da impotência sexual. E a solução temporária, para além dos possíveis efeitos colaterais como dores de cabeça, rubor facial, risco de fibrose do pênis (quando a ereção durar mais de três horas) ou de infarto e morte (quando administrados simultaneamente a drogas vasodilatadoras coronarianas), pode levar à dependência psíquica. Sem o medicamento, prevalece a insegurança.

– O medo é resultado de uma má educação sexual. O homem precisa procurar consciência afetiva, saber que o sexo está ligado ao emocional. É necessário deixar de se preocupar só com o que a parceira vai pensar do desempenho, dando atenção ao que ele mesmo gosta, curtindo o momento, sem pressão. Entendendo isso, o sexo do homem saudável vai melhorar sem precisar de um empurrãozinho – comenta o médico, lembrando que os remédios não “dão tesão”: só funcionam se já houver desejo sexual.

Um levantamento feito com homens com idades entre 25 e 35 anos atendidos pelo Centro de Referência em Saúde do Homem, órgão da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, revelou que 20% já utilizaram esses medicamentos sem recomendação. Dados da drogaria Nova Esperança, uma das principais varejistas do e-commerce de medicamentos no Brasil, mostram que fármacos desta natureza são líderes de vendas, com aumentos que chegam a ultrapassar 70% em apenas um mês.

– A loja virtual evita possíveis constrangimentos do consumidor no balcão de uma farmácia – comenta o diretor da empresa, Marcos Dávida.

Leia também: aumento peniano

O chefe do departamento de andrologia da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), Antonio de Moraes Júnior, recomenda que os homens tenham em mente o fato de que, na maioria das vezes, a impotência é uma doença multifatorial. Por isso, o problema requer uma investigação detalhada para se identificar as causas.

– Nem todo paciente que entra no consultório precisa sair com receita. Às vezes, basta orientação para mudar hábitos de vida – diz Moraes Júnior.

Problema de ereção durante o ato: a origem e as soluções

Problemas de ereção podem ser muito incapacitantes para muitos homens. De fato, a incapacidade de ter uma ereção forte o suficiente para penetrar em seu parceiro ou um problema de ereção suave durante o ato pode ser muito humilhante. E causar um círculo vicioso associando relações sexuais com uma fonte de ansiedade. O que pode ser tão prejudicial para sua autoconfiança quanto sua vida sexual.

Na verdade, esse problema erétil afeta muito mais homens do que você pensa. É frequentemente associado ao envelhecimento. Isso não é falso, já que quase um quarto dos homens com mais de 65 anos enfrenta esse tipo de dificuldade. Mas 5% dos homens com menos de 40 anos também podem ter dificuldade para se bandar. Ou, em qualquer caso, não conseguem manter a ereção durante o ato para satisfazer o parceiro (foi o que aconteceu no meu relacionamento por muito tempo ).

Conheça o estimulante que esta mudando a vida de vários homens, o nome é Max Gel.

Felizmente, um problema de ereção durante o ato não é inevitável . E também é lógico depois envelhecer. Você pode ter uma vida sexual satisfatória e satisfatória em qualquer idade. E mesmo quando você fica mais velho.

Isso começa com a compreensão da natureza do seu problema. Para encontrar a melhor solução para sua situação. Nós apresentamos todos eles neste artigo completo.

Quais são as causas de um problema de ereção durante o ato?

Ter um problema de ereção durante o ato não está relacionado à impotência masculina. Na verdade, na maioria dos casos você vai chegar a bandagem da manhã, quando você acorda. Ou até mesmo quando assiste a um filme X ou se masturba. O que prova que suas artérias e nervos (as partes do seu corpo que permite que seu pênis para obter uma ereção) funcionam perfeitamente. Tudo está funcional neste lado . Então, de onde vem o problema?

Estresse: a primeira causa de um problema de ereção durante a penetração

Se seu corpo está funcionando bem, e você pode dobrar “sozinho”, então por que você não pode mantê-lo durante a penetração. Se o seu corpo não é culpado, é porque a origem é certamente psicológica.

E, de fato, o estresse é muitas vezes a causa óbvia de um problema de ereção durante o ato. Se você estiver ansioso para não satisfazer seu parceiro ou não aguentar o suficiente para lhe dar um orgasmo, seu corpo lhe enviará uma descarga de adrenalina.

Off, esse hormônio é uma pequena criptonita da sua ereção . E quando seu corpo o secreta, você pode não ser capaz de se curvar automaticamente. Concretamente, esta descarga é explicada porque você está ansioso com o seu desempenho. E que você tenha medo de não penetrar. Daí a origem do seu colapso, que é mental e não físico.

O problema do círculo vicioso

O problema com essa causa mental de seu problema de ereção durante o ato é que isso pode levar a um círculo vicioso. Se você já teve uma falha momentânea (que pode ser explicado de maneira muito simples pelo golpe de fadiga, à noite também embriagado ou estimulação sexual inadequada), isso pode criar um precedente muito negativo para a sua confiança.

Você pode dizer: “Em nossos relatórios mais recentes, não conseguiram penetrar ao orgasmo … Eu espero que isso não vai acontecer novamente hoje .”

O estresse é, portanto, adicionado a pressão de que isso aconteça novamente. Isso aumentará o risco de que uma nova falha impeça você de satisfazer seu parceiro novamente. E assim por diante.

Você também pode se preocupar que ela não esteja se fazendo perguntas. Especialmente se você anteriormente não teve nenhum problema desse lado. E que ela vê que você se curva perfeitamente ao acordar. A ideia de que ela não pode mais se sentir desejada por você. Ou pior, o medo de que você estava errado, pode ser adicionado a sua pressão relacionada com o desempenho. Resultado: falhas repetidas que apenas agravarão o problema.

Sexo, para 62% dos homens o que importa é satisfazer a parceira

Uma pesquisa sobre a nova identidade sexual masculina apresentada em Milão. Metade dos machos teve padrões sexuais pelo menos uma vez na vida.

SATISFAZER o desejo sexual das mulheres é a prioridade para 62% dos homens italianos. O mapa da sexualidade muda e se adapta a novos papéis sociais. Assim, 83% dos homens apreciam uma mulher empreendedora, mas 77 acreditam que um pode permanecer viril mesmo em mimos. Estes são alguns dos dados que emergiram da pesquisa sobre a nova identidade sexual masculina, conduzida pela Gfk com o apoio do Ibsa Farmaceutici Italia como parte da campanha Ticket to Love . 
• A NOVA IDENTIDADE SEXUAL MASCULINA 
A pesquisa, que foi realizado com uma amostra de 1000 homens com idades compreendidas entre 35 a 70, define a cena de um macho em evolução, o qual começa a aceitar uma vez libertos e independentes, e para apreciar os benefícios. “50 anos depois da revolução sexual – disse Emmanuele A. Jannini , professor de endocrinologia e sexologia Médico da Universidade Tor Vergata, em Roma – o macho acabou por enveredar por uma metamorfose, que para muitos já se tornou uma verdadeira transformação antropológica; a consciência do papel da mulher, mais empreendedora e autoritária do que no passado, levou-o a dar maior valor ao seu prazer, que muitas vezes se torna uma prioridade sobre o próprio ”. 
Se você esta atras de um blog para problemas sexuais temos um perfeito para você, ele se chama blog da cis.
• BONDADE, DESAGRADOS E SEXUALIDADE 
Para o homem moderno ser gentil, carinhoso, carinhoso e respeitoso pesa mais do que ser apaixonado e dar segurança (45% vs 12). Para 88% dos homens, o sexo continua sendo um componente central da vida. 47% relatam ter duas ou mais vezes por semana (67 uma ou mais vezes por semana), enquanto 64% estão constantemente descobrindo informações sobre sexualidade, que são pesquisadas principalmente na web (80%).
• PROBLEMAS SOB AS FOLHAS 
Mas nem tudo são rosas e flores. 51% dos entrevistados tiveram problemas de ereção pelo menos uma vez na vida, enquanto que para 13% é um problema que ocorre intermitente ou cronicamente (de uma vez em quatro para cada relatório). Daqueles que têm o problema, 17% têm entre 35 e 45 anos. Como o homem vive sua desconfiança? Desapontamento, constrangimento, preocupação e frustração são as emoções mais frequentes. Ainda uma boa parte dos homens que vivem o problema atribui-o significativamente a causas psicológicas (34%) e 36% não falam sobre isso com ninguém. 
• A EVOLUÇÃO DO SILDENAFIL 
No entanto, 59% dos entrevistados disseram que não têm nenhum problema em deixar o parceiro saber que eles tomam uma droga para problemas de ereção. O sildenafil, a primeira pílula de ereção, representou uma verdadeira revolução há 20 anos. “A coisa surpreendente – explica Jannini – é que esta molécula, que logo foram acompanhados tadalafil, vardenafil e avanafil, nunca é idade Se alguma coisa mudou, seguindo as necessidades do casal Se os homens ainda estão em necessidade de discrição quando se toma.. um medicamento para ereção é um pouco ‘porque a sexualidade é sempre sinônimo de intimidade, mesmo no tratamento da toxicodependência, e um pouco’, porque as mulheres, nestes 20 anos, tem de modo algum a paz com um medicamento que ainda muitas vezes viver como uma derrota do seu sex appeal. juntamente com a do macho, a metamorfose do sildenafil: um filme orodispersível realizado no portfólio. Um remédio disfarçado de ‘bilhete para amar’ “.