Saiba a melhor forma de reverter a disfunção erétil

Saiba a melhor forma de reverter a disfunção erétil

Adoção de um estilo de vida mais saudável é recomendado em um terço dos casos

Ao atrair milhares às farmácias do país e vender mais de 2,4 milhões de unidades em seis meses, uma pilulazinha azul evidenciou um tipo de problema que a população masculina insistia, por constrangimento, em manter silenciado. Quase 17 anos depois do lançamento do Viagra, os medicamentos para disfunção erétil ainda são lembrados como a principal forma de tratamento pelos brasileiros – 25 milhões deles sofrem da doença. O que a maioria não sabe é que, em cerca de um terço dos casos, a impotência, que tanto abala a autoestima e desonra o clichê machista da virilidade, pode ser revertida com a simples adoção de um estilo de vida mais saudável.

Foi o que apontou uma pesquisa realizada no Centro de Saúde Masculina da Fundação Freemansons, da Universidade de Adelaide, na Austrália, com dados que foram corroborados pelos especialistas do Brasil ouvidos pela reportagem. Perder peso, comer melhor, abolir o sedentarismo, ter boas noites de sono, deixar o cigarro de lado e diminuir a ingestão de bebidas alcoólicas são hábitos que podem ajudar a resolver falhas de ereção. O problema nem sempre é tão embaixo.

Leia mais notícias de saúde

Entre os jovens, por exemplo, muitos dos casos de impotência sexual são causados por questões psicológicas como ansiedade, depressão e incertezas sobre o futuro profissional. Nos mais velhos, a disfunção erétil pode ser consequência, se não do avanço da idade, de condições mais sérias de saúde, como diabetes, obesidade, câncer de próstata e problemas cardiovasculares.

– É preciso consertar esses “erros” no indivíduo antes de apelar para remédios orais contra a disfunção erétil. No caso dos jovens, às vezes apenas a terapia é suficiente. Uma pessoa com excesso de peso, por exemplo, tende a ter problemas de circulação e, por conta disso, a ter uma vida sexual de má qualidade. Corrigir a alimentação é uma maneira de tentar recuperar a função sexual naturalmente – afirma o urologista Sergio Iankowski, autor do livro “Ereção e Falha, Falhou Por Quê?”.

Não conseguir manter o pênis rígido é o medo máximo do homem brasileiro. Força de expressão? Não. Um estudo encomendado pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) demonstrou que esse receio é maior do que o de ser traído, perder o emprego ou até mesmo sofrer um assalto.

Entre os problemas de saúde, o temor de ficar impotente só perde para o medo de ter câncer. A pesquisa ouviu 3,5 mil homens com mais de 40 anos, em sete cidades do país.

– Os homens associam a ereção ao estereótipo da masculinidade, o que gera um grau muito grande de autocobrança. Se existe falha, é comum que, abalados psicologicamente e no afã de sanar logo o problema, procurem os medicamentos – diz o especialista em urologia Raphael Moreira, médico do Hospital Samaritano, em São Paulo.

Leia também:
Conheça os principais tratamentos para a disfunção erétil

Fontes: Sociedade Brasileira de Urologia, Fundação Freemasons, Datafolha/Eli Lilly, Instituto de Fertilidade e Andrologia

Automedicação e o perigo da ilusão de desempenho

Como não é necessário receita para comprar remédios contra a disfunção erétil, a automedicação se torna um risco. Os estimulantes, de acordo com o urologista Sergio Iankowski, ao provocar a ilusão pontual de um bom desempenho na cama, mascaram as causas reais da impotência sexual. E a solução temporária, para além dos possíveis efeitos colaterais como dores de cabeça, rubor facial, risco de fibrose do pênis (quando a ereção durar mais de três horas) ou de infarto e morte (quando administrados simultaneamente a drogas vasodilatadoras coronarianas), pode levar à dependência psíquica. Sem o medicamento, prevalece a insegurança.

– O medo é resultado de uma má educação sexual. O homem precisa procurar consciência afetiva, saber que o sexo está ligado ao emocional. É necessário deixar de se preocupar só com o que a parceira vai pensar do desempenho, dando atenção ao que ele mesmo gosta, curtindo o momento, sem pressão. Entendendo isso, o sexo do homem saudável vai melhorar sem precisar de um empurrãozinho – comenta o médico, lembrando que os remédios não “dão tesão”: só funcionam se já houver desejo sexual.

Um levantamento feito com homens com idades entre 25 e 35 anos atendidos pelo Centro de Referência em Saúde do Homem, órgão da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, revelou que 20% já utilizaram esses medicamentos sem recomendação. Dados da drogaria Nova Esperança, uma das principais varejistas do e-commerce de medicamentos no Brasil, mostram que fármacos desta natureza são líderes de vendas, com aumentos que chegam a ultrapassar 70% em apenas um mês.

– A loja virtual evita possíveis constrangimentos do consumidor no balcão de uma farmácia – comenta o diretor da empresa, Marcos Dávida.

Leia também: aumento peniano

O chefe do departamento de andrologia da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), Antonio de Moraes Júnior, recomenda que os homens tenham em mente o fato de que, na maioria das vezes, a impotência é uma doença multifatorial. Por isso, o problema requer uma investigação detalhada para se identificar as causas.

– Nem todo paciente que entra no consultório precisa sair com receita. Às vezes, basta orientação para mudar hábitos de vida – diz Moraes Júnior.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *